Tendências no segmento de filtração automotiva

10/1/2018

Os filtros automotivos surgiram há mais de um século, logo após a invenção do automóvel, com a finalidade de reter uma série de impurezas que prejudicavam o desempenho, a confiabilidade e a durabilidade dos veículos. Nas últimas décadas, os filtros da cabine passaram a cuidar, também, da qualidade do ar interno dos veículos.
De acordo com Marcel Pezenatto da Silva, representante da Filtros INflow, estes filtros têm papel fundamental na filtragem de partículas que podem ser prejudiciais ao sistema, ocasionando perda de desempenho e falhas mecânicas prematuras. Já os filtros de cabine têm papel muito importante na retenção de partículas, gases e odores, melhorando a qualidade do ar no habitáculo e reduzindo potenciais problemas respiratórios.
Atualmente é muito comum o motor de um carro ultrapassar os 300 mil quilômetros sem a necessidade de uma retífica. Em boa parte, o mérito dessa durabilidade é por causa da alta eficiência dos modernos filtros do ar, do óleo e do combustível. Os donos dos veículos que trocam regularmente os filtros e usam produtos com qualidade original podem usufruir desses benefícios. “Cada filtro tem sua devida importância e, ao fazer a correta manutenção, o aplicador/consumidor irá garantir longevidade, menor consumo e menor emissão de poluentes, além de diminuir o desgaste das partes móveis e outros componentes.
O filtro é importantíssimo na manutenção de qualquer veículo, máquina ou equipamento e é o segundo item mais consumido. O primeiro é o óleo lubrificante” – completa Robson Quito, responsável pela área de filtros da Delphi - divisão de aftermarket. 



Mercado
No cenário atual, em virtude do aumento da poluição atmosférica nos centros urbanos e da conscientização da população sobre a necessidade de respirar ar de qualidade faz com que os filtros de cabine tenham maior participação no setor automotivo. Silva explica que existe uma forte tendência por esse tipo de filtros se aperfeiçoarem ainda mais. 
Diante desse cenário, com as novas tendências automotivas para incrementar a eficiência energética e reduzir a poluição atmosférica, os veículos passam a ser cada vez mais compactos (downsizing). Com isso os espaços disponíveis para o desenvolvimento de filtros de ar para motores tornam-se limitados. As novas tendências também apontam para motores menores e sobre alimentados (turbos), que exigem filtros com menor restrição a passagem do ar. 
Silva explica ainda que os desafios consistem em desenvolver filtros menores, mas que tenham vazão suficiente, capacidade de armazenamento de sujeira adequado e baixa manutenção. “Com o exercício em vigor da política reversa, é importante que as montadoras procurem aumentar o prazo de manutenção de peças, reduzindo a quantidade de lixo produzido por meio do desenvolvimento de peças que tenham maior vida útil. Portanto, para atender a estes novos critérios, os filtros passam a exigir novos formatos e principalmente novos materiais filtrantes que sejam eficientes e tenham ótimo custo-benefício”, completa. 
As empresas de filtração que fornecem produtos originais estão muito atentas aos atuais desafios da indústria automobilística mundial, como aumentar a eficiência dos veículos, reduzir o tamanho e o peso dos motores, ampliar os intervalos de manutenção, facilitar a troca das peças e garantir uma máxima reciclabilidade. Por essas razões, há um investimento intenso no desenvolvimento de novos materiais de alta eficiência e designs inovadores capazes de reduzir o tamanho e o peso dos filtros, colaborando com o atual processo de downsizing dos veículos realizado pelas montadoras. 
Em complemento, Carlos Canova, diretor de pesquisa e desenvolvimento da Sogefi Filtration do Brasil, destaca que o compromisso ambiental está popularizando essa nova geração de filtros do tipo cartucho, que são muito mais fáceis de reciclar. No relacionamento entre o fabricante de filtros e a montadora, também está cada vez mais comum o fornecimento de módulos completos (com caixa, dutos, etc.), ao invés de componentes separados.



“Como estamos falando de um mercado extremamente competitivo, é fundamental que sejamos cada vez mais ágeis, que tenhamos uma logística ainda mais eficiente e que o nosso atendimento ao cliente seja de excelência, pois hoje já oferecemos produtos e serviços de altíssima qualidade. Há também a necessidade de trabalhar junto ao cliente, ou seja, ajudá-lo na estratégia de vendas para que este consiga aumentar gradativamente a sua participação junto ao aplicador/consumidor e fazer com que vendedores e representantes foquem em nosso produto e marca” – ressalta Quito. 
De acordo com Marcio Cirino, gerente de desenvolvimento de mercado da Parker, o mercado de filtros automotivos está com tendência de alta, já que as montadoras estão se recuperando, após dois anos bem difíceis. A Parker está conseguindo trazer inovação e tecnologia para ajudar nesta recuperação. Ele explica ainda que o mercado de reposição está muito aquecido e a Parker tem atuado forte para estar cada vez mais próximo dos clientes. Uma novidade importante é a aquisição pela Parker da empresa Clarcor, dona das marcas Baldwin, Peco Facet entre outras. 
“O que influenciará no futuro próximo são as questões de reduções de emissões, bem como o aumento da mistura de biodiesel no diesel, que poderá trazer consequências. A Parker já se antecipou e possuí meios filtrantes testados e validados para até 100% de biodiesel e já estamos preparados para atender as novas legislações de emissões” – completa o gerente.

Tendências e novidades
De acordo com Silva, as novidades do mercado de filtros automotivos consistem no desenvolvimento de filtros de ar para motores que apresentam baixa manutenção e longa vida útil sem comprometer a vazão de ar, a eficiência de filtragem e a capacidade de armazenamento de sujeira. 
Para 2018, a Filtros INflow  esta desenvolvendo filtro de ar com maior área de filtragem superficial, o que reduzirá a necessidade de trocas frequentes garantindo maior vida útil da peça. Tudo isso para satisfazer as necessidades das montadoras em relação às exigências da política reversa. Alguns testes já demonstram sucesso no desenvolvimento do produto.
  

“Nossos filtros podem ser utilizados por mais tempo no veículo, sem causar restrição do ar. Consequentemente teremos um produto com maior vida útil, gerando menos custos com manutenção pelo proprietário do veículo e menor frequência de trocas com reposição, reduzindo a quantidade de lixo, importante para a política reversa por parte das montadoras” – explica Silva. 
Além disso, a empresa tem novidades também para os filtros de cabine, com modelos capazes de eliminar a proliferação de fungos e bactérias que tipicamente se desenvolvem nos filtros e passam a causar maus odores. Os filtros passarão a ter novos materiais para melhor filtragem de odores e gases derivados da poluição atmosférica que possam ser nocivos à saúde dos ocupantes do veículo.
Para Quito, o mercado filtrante sempre foi muito competitivo em função do alto volume de filtros consumidos e com a presença de grandes marcas. Como a frota está cada vez mais diversificada e em crescimento, as oportunidades aparecem e a Delphi está trabalhando neste sentido. Com o avanço de tecnologia nos veículos, houve a necessidade de inovar neste segmento. Uma das novidades recentes foi à criação dos filtros para ARLA, já utilizados em mercados como Europa e EUA.
Ele explica que, recentemente, a empresa percebeu que os filtros do óleo lubrificante e do combustível passaram por mudanças, como a substituição dos filtros blindados (aço) e implantação dos filtros ecológicos, também conhecidos como filtro refil ou cartucho. Estes filtros possuem tecnologia de termo-fusão (ou termo-soldados) que eliminam o uso de cola plástica e evitam que o papel se desprenda (em função da reação química da cola com o óleo ou combustível), além das partes plásticas serem produzidas com material biodegradável, o que facilita o descarte e não contamina o meio ambiente.
Além disso, a empresa oferece filtros com papel (ou mídia filtrante) “Multi-grade” que trabalham com camadas de celulose e fibra sintética, temos filtros com tecnologia “Acquablock” (bloqueador de água). Existem também filtros com nano-tecnologia na composição do elemento filtrante. De acordo com Quito, a tendência é que novas tecnologias surjam em função da necessidade dos fabricantes de veículos cumprirem as regras de redução de emissão de poluentes e as leis de meio ambiente. Cabe à empresa acompanhar toda a evolução e lançar produtos que atendam a frota atual e também os novos veículos que forem disponibilizados ao mercado.
“A Delphi entende que há um mercado potencial enorme de filtros e está trabalhando fortemente para aumentar a participação neste segmento. Uma vez que nossos clientes tenham em mãos um produto de alta qualidade, uma marca forte e uma estratégia inteligente de vendas, nosso papel é fazer com que tudo isso chegue ao aplicador/ consumidor e que estes se sintam felizes e satisfeitos em terem um produto original e que trará benefícios ao seu veículo e ao seu bolso” - completa o representante. 


Cesar Costa, diretor de vendas e marketing da Wega Motors explica que devido à conscientização dos usuários de veículos está aumentando a cada ano, o mercado está em expansão. A empresa traz para o mercado modelos de filtros com sensores eletrônicos, filtro de cambio automático e filtro de cabine antibacteriano. Novos tipos de papel e formatos de filtros com acessórios e estrutura de plástico.
“O mercado vai continuar positivo em 2018 e com a abertura para veículos importados e novos modelos de veículos nacionais, vamos ter muitas novidades e aumento de demanda. Temos que continuar nos atualizando e levando treinamento ao aplicador. Por exemplo, conscientizar a importância da troca do filtro de cabine para saúde de todos que estão no veiculo”- ressalta Costa.
A Sogefi esta fechando o ano de 2017 de uma forma bem positiva e acredita que o mercado se manterá estável em 2018, apesar das eventuais “turbulências” de um ano eleitoral. Para empresa, o principal desafio de todo o mercado brasileiro de filtração automotiva é manter-se atualizado tecnologicamente, com uma linha diversificada (algo fundamental no mercado de reposição), ter uma operação competitiva e rentável. 
“Para alcançar esses objetivos, contamos com o apoio tecnológico da nossa matriz, sempre estamos disputando os novos projetos das montadoras, investimos no fortalecimento da marca e na cobertura de linha dos produtos Fram na reposição, realizamos ações de conscientização sobre as vantagens dos filtros com qualidade original e trabalhamos intensamente na conquista de novos mercados de exportação” - destaca Canova.
Paralelo a isso, a empresa apresenta uma série de filtros que são exclusivos da linha pesada, como os filtros separadores de água, filtros secadores para o sistema de freios, filtros hidráulicos, filtros do sistema de arrefecimento e filtros para o Arla 32, o reagente usado nos modelos mais novos para reduzir as emissões de poluentes. 
De acordo com Sergio Gazarini, diretor comercial da Seineca Automotive do Brasil, o mercado de filtros automotivos se mantem aquecido com uma concorrência enorme, mas com espaço ainda a ser conquistado por novas marcas. Para ele, as novidades se distinguem em manter a nova frota de veículos com opções de abastecimento. 


“O que hoje é uma realidade é termos os refis para filtros de óleo com reposição sem a carcaça metálica, mas conhecido como filtro ecológico, pois não necessita do programa de politica reversa de seus componentes como acontece com o filtro de óleo blindado. Acredito que o grande desafio seja conseguir abastecer o mercado, pois ainda temos problemas em um abastecimento farto de papel como matéria prima” – destaca o diretor. 
A novidade principal da Parker são os Filtros Ecológicos EMAX, que trazem ao mercado a tecnologia plástica, deixando os filtros até 50% mais leves que os convencionais. Bem como a patente, que impossibilita a utilização de filtros de baixa qualidade, a não utilização de filtros e as reduções de garantias dos sistemas de injeção, garantindo a utilização de filtros testados e homologados. O filtro contribui para a logística reversa, já que seu elemento filtrante não possui partes metálicas, desta forma basta apenas prensar o filtro para retirar o excesso de óleo e incinerar.
“Nós já homologamos os filtros EMAX nas principais montadoras de caminhões, ônibus e na reposição com a aquisição da Clarcor pela Parker. Com certeza vamos atender ainda melhor nossos clientes já que, com as marcas Baldwin e Peco Facet,  nossa linha de produtos para os mercados de ferrovias, postos de abastecimento de aeroportos, bem como o mercado de mineração, geração de energia e agricultura será ainda mais completa” – destaca Cirino.


Carros hídricos 
Hoje em dia muito se escuta falar sobre carros híbridos, elétricos e até autônomos. De acordo com Silva, ainda que haja outras tecnologias mais modernas entrando no mercado como carros híbridos e elétricos, o mercado de filtros ainda é promissor, havendo outras demandas de filtragem nos mais diversos segmentos. 
Até que estas formas de energia limpa estejam totalmente em uso, as montadoras ainda precisarão de novas tecnologias de filtragem para reduzir o consumo de combustível, as emissões atmosféricas e a quantidade de resíduos e lixo gerado com a quantidade de material descartado. Portanto, para ele, terá ainda alguns anos de ascensão deste material e constante pesquisa e desenvolvimento para atender os regulamentos cada vez mais rigorosos deste mercado.  
As pessoas estão cientes sobre o tempo em que permanecem dentro de um veículo, principalmente aquelas que residem em grandes centros urbanos com intenso transito. E infelizmente, é esperado que estas condições de transito lento nas cidades tenderá a piorar no futuro, expondo as pessoas a um maior contato com a poluição atmosférica gerada pelas emissões veiculares. 
“O crescimento da tecnologia automotiva com base em veículos elétricos pode ameaçar o mercado de alguns filtros, como o de ar para motores, de óleo e combustível. Contudo, o mercado de filtros de cabine tende a ter importante papel nas vendas. Isso ocorre principalmente devido a conscientização da população que passa a entender mais sobre os malefícios da poluição atmosférica e sua relação com problemas respiratórios” – ressalta o representante da INflow.
Canova explica, ainda, que no futuro, mesmo com a popularização dos veículos híbridos, elétricos e a hidrogênio, os filtros automotivos continuarão desempenhando um papel fundamental para preservar a integridade e a durabilidade desses novos sistemas e a saúde dos ocupantes. 
 
Normas e legislação 
No final de 2013, o Parlamento Europeu e o Conselho da União Europeia acordaram sobre duas propostas regulatórias que tratam sobre metas de emissões de CO2 permitidas por veículos de passeio e comerciais. Silva explica que ficou estabelecido que até 2020, 95% da frota de veículos novos a serem vendidos terão que possuir máxima emissão de 95 g-CO2/km. Já em 2021, 100% dos veículos novos terão que atender a esta conformidade.
As montadoras que não atingirem estas metas terão que pagar aproximadamente 95 Euros por g-CO2/ km das emissões excedentes por veículo. Em perspectiva de consumo de combustível, para atingirmos emissões de 95 g-CO2/ km o consumo médio de combustível deve ser de 26,3 Km/ L para os carros de passeio; ou 17,8 km/L para veículos comerciais. A média de consumo em 2015 no Brasil para os carros de passeio foi de aproximadamente 16 Km/L; ou seja, média muito acima das metas estabelecidas para 2021 na União Europeia. 
Até o final de 2017, é esperado que a média de consumo de combustível no Brasil melhore, mas não significativamente, ficando em 17,4 Km/L. O país, como o quarto maior mercado de automóveis do mundo, possui o programa Inovar-Auto, que é um programa nacional voluntário com forte incentivo fiscal. 
Os fabricantes de automóveis no Brasil que atinjam o objetivo de eficiência energética de consumo de combustível são qualificados para redução de impostos IPI (desconto de até 30% do preço de venda mais impostos de importação e outras taxas exigidas). 
“Portanto, é extremamente vantajoso para as montadoras explorar novas tecnologias para a produção de carros cada vez mais econômicos e menos poluidores. Esta é uma postura inteligente a ser tomada no cenário nacional antes que as legislações ambientais relacionadas às emissões atmosféricas tornem-se cada vez mais rigorosas, como ocorre no cenário europeu” – enfatiza Silva. 

Ele ressalta ainda, que dentre várias peças que compõem um motor, o filtro de ar do se destaca por apresentar importante função tanto em desempenho quanto em redução das emissões atmosféricas. Filtros de ar confeccionados com materiais especiais e formatos apropriados podem melhorar o desempenho do motor, reduzir o consumo e as emissões atmosféricas. Desta forma, a busca destes materiais novos designs estruturais, que é a base dessa proposta, continuam a ser de grande relevância para as montadoras. 
De acordo com Canova, a exemplo de toda a indústria automobilística brasileira, existe uma espera pela definição de medidas importantes do governo federal que podem impactar diretamente o setor. Uma delas é a nova política setorial de longo prazo, o programa conhecido atualmente como “Rota 2030”, que deveria ser aprovado ainda em dezembro, de forma a substituir o Inovar-Auto a partir de 2018. 
Para ele, outra decisão importante são as próximas fases do Proconve (Programa de Controle de Poluição do Ar por Veículos Automotores) para motocicletas, automóveis, veículos pesados, máquinas agrícolas e equipamentos de construção. “Há alguns anos o Brasil não avança nessa área e está ficando para trás em relação aos outros países” – destaca. 
Quito destaca também, que há algum tempo foi criada a Lei que estabelece procedimentos relacionados ao descarte consciente de filtros, o que a empresa entende como totalmente correto, pois é importante sempre pensar na relação que os produtos estabelecem com o meio ambiente e a responsabilidade social.
“Para os filtros de Cabine, o governo poderia passar a considerar um produto de proteção à saúde, Saúde Pública, devemos todos juntos fazer isso acontecer. Outro ponto é orientar o aplicador para troca 100%, troca completa na manutenção preventiva do veículo” - completa Costa. 


Contato das empresas:
Filtros INflow: www.filtrosinflow.com.br
Wega Motors: www.wegamotors.com

ASSOCIADOS

Conheça nossos associados