NOTÍCIAS

Scania antecipa novidades da Fenatran

18/9/2017


Montadora lança dois motores, caminhão de mineração e manutenção flexível
SUELI REIS, AB | De Piracicaba (SP)

Motores D13 com 450cv e 510 cv são parte dos lançamentos Scania para a Fenatran

Após se ausentar na última Fenatran, edição de 2015, a Scania volta à feira deste ano e decide antecipar o que vai mostrar no evento, considerado o maior do setor de transporte de cargas da América Latina. Nesta 21ª edição, que abre as portas entre 16 e 20 de outubro no São Paulo Expo, a montadora apresentará três importantes lançamentos: dois novos motores da família D13, com versões de 450 cv e 510 cv de potência, o caminhão Heavy Tipper, totalmente desenvolvido e dedicado para o setor de mineração e o plano de manutenção Flexível.

“A Scania trabalha com o conceito cliente em primeiro lugar, estratégia que é sustentada por três pilares: combustíveis alternativos, eficiência energética e transporte mais inteligente”, afirma o diretor geral da Scania no Brasil, Roberto Barral. “Queremos minimizar todos os possíveis gastos excedentes do cliente”, reforça indicando que o objetivo destes lançamentos é claramente buscar uma maior rentabilidade para o frotista, independente do seu porte.

Começando pelos novos motores de 450 cv e de 510 cv de potência, são uma extensão da Linha R para uso rodoviário, indicados para aplicações rodoviárias 6x2 e 6x4, respectivamente, e com foco nos caminhões na faixa de capacidade para 57 a 74 toneladas para cargas refrigeradas, cegonha, carga líquida e perigosas, incluindo gases e inflamáveis, container e graneleiro. Segundo a empresa, o motor é 5% mais econômico com relação a versão atual de 13 litros graças ao seu novo sistema de injeção de combustível de alta pressão XPI, importado da Europa.

O responsável de pré-venda da Scania, Marcel Prado, explica que o sistema possui três estágios de injeção: a pré-injeção, desenvolvida na Suécia para motores Euro 6 a fim de reduzir o ruído (a legislação vigente na Europa exige além de menor emissão, também menor ruído do motor a diesel). Nela, o sistema injeta uma mínima quantidade de combustível, causando uma primeira e pequena queima, que aquece o espaço, reduzindo o impacto da explosão maior que deriva da injeção principal, que é o segundo estágio. Aqui, o sistema de alta pressão pulveriza o combustível a ser queimado, que é espalhado em forma de espiral: quanto mais preenchido o espaço com combustível, melhor a queima, maior a potência e o torque que se tira dela. Por fim, na pós-injeção, o sistema provoca uma última queima a fim de reduzir ao máximo aquele resto de diesel que sempre sobra para diminuir ainda mais a emissão de gases provenientes da queima principal. “Este 5% [de economia] veio da melhor queima”, afirma Prado.

Além disso, o motor conta novo bloco fundido do novo material CGI (ferro grafite compactado, na sigla em inglês), que proporciona mais resistência e durabilidade, sem comprometer o peso do conjunto.

Por fim, os novos propulsores D13 contam com aperfeiçoamento no sistema catalisador SCR (redução catalítica seletiva) adaptado para Euro 5, mas pronto para Euro 6, além de novas capacidades de tanque para Arla 32, que além da tradicional de 47 litros, passa a contar com as opções de 80L e 105L.

Eles estarão disponíveis para encomendas a partir da Fenatran.

NOVA OPÇÃO PARA MINERAÇÃO
 
Com lançamento global feito no Brasil, a Scania apresentará ao público o novo caminhão Heavy Tipper, inaugurando a faixa de capacidade para 40 a 48 toneladas [de carga líquida] em veículos 8x4 e que vem para preencher uma lacuna na gama de produtos da marca para este segmento, que hoje conta com caminhões para 30 e 70 toneladas de capacidade.

“Quem atua com o caminhão 6x4 com PBT de 50 toneladas, sobrecarregava a capacidade do veículo, que é de 30 toneladas de carga líquida. O Heavy Tipper vem para atuar nesse gap”, afirma o gerente da nova divisão de mineração da Scania, Fabrício Vieira.

Com PBT de 58 toneladas, o Heavy Tipper é capaz de transportar 25% mais carga com relação aos concorrentes disponíveis no mercado, que oferecem veículos de no máximo 32 t e 48t de PBT. Segundo a empresa, o modelo foi desenvolvido com componentes mais robustos, o que lhe confere maior resistência à operação extremamente severa que é o da mineração. Ele oferece até 5% a mais de disponibilidade operacional e cerca de 5 mil horas a mais de vida útil, equivalente a 1 ano a mais de uso, e pode proporcionar redução de até 15% no custo da tonelada transportada.

Vieira conta que a Scania decidiu criar neste ano a nova divisão de negócios para mineração, que estava inserida na divisão off-road. Na Suécia, esta divisão foi criada em 2011. “O Heavy Tipper surge num período de retomada da compra: desde 2013 que este mercado não dava sinais concretos de voltar a ser comprador” afirma. Ele acrescenta que houve um grande movimento de compras entre 2011 e 2012 [quando houve um boom de vendas de caminhões no Brasil por causa dos juros negativos com o PSI]. “Geralmente, a vida útil dos veículos em atividades no setor é de três anos, ou seja, a idade média desta frota está alta, e consequentemente com um custo operacional elevado: estamos falando de um potencial de renovação de no mínimo 1 mil unidades represadas”, revela.

Com 33% de participação neste segmento, a montadora espera aumentar as vendas com o Heavy Tiiper em 12% e meta de elevar o market share para 45%.

NOVOS SERVIÇOS E PLANO DE MANUTENÇÃO

No pós-venda, a Scania lança ao mercado seu novo programa de manutenção com planos flexíveis, já praticado em outros mercados, como na Europa, e que oferece custos diferenciais e personalizados conforme a necessidade de cada veículo. Por meio do sistema de serviços conectados, que colhe dados do caminhão, é possível receber notificações sobre o que tipo de componente já passível de trocar, qual merece atenção e o que ainda está em condições perfeitas de uso.

O plano oferece versatilidade na assinatura, que dura por tempo indeterminado e à escolha do cliente, que decide até quando deseja permanecer com o plano. Com isto, o diferencial também fica por conta do custo: o cliente pagará apenas pelo que rodar, ou seja, se o caminhão ficar parado durante todo o mês – seja por falta de demanda ou por decisão do frotista – o custo de manutenção dentro do plano será zero. No pagamento, a quilometragem passa a contar no cálculo do consumo de combustível por meio de faixas determinadas: os veículos que consumirem menos diesel, entram em uma faixa de menor demanda de manutenção preventiva e de tarifas reduzidas por quilômetro rodado.

“Uma característica forte que diferencia este programa dos demais disponíveis no mercado é que não é mais um plano de manutenção considerando empresa a empresa, mas veículo a veículo”, afirma o diretor de serviços da Scania, Fábio Souza. “Aqui, o custo de manutenção vai depender da qualidade de como o veículo é conduzido: o motorista é fundamental neste processo; se conduzir de forma correta, além de economizar combustível, vai pagar menos na manutenção, porque conta exatamente apenas os quilômetros rodados, não tem mais que pagar mensalidade fixa. É realmente uma disrrupção na maneira de fazer manutenção”, explica.

Com os dados do caminhão em mãos, a concessionária consegue antecipar as informações sobre quais serviços serão necessários e aponta para o cliente frotista as sugestões de data para o serviço, a fim de mantê-lo o mais disponível possível sem comprometer sua operação ou segurança. Com isto, a montadora prevê que a manutenção programada reduz em até 75% o tempo do veículo na oficina em comparação com outros veículos com paradas não planejadas.

Souza garante que com tudo isto, o plano entrega o mínimo de 16% de redução do custo de manutenção. No sentido de complementar o pacote, a Scania oferece também o serviço de como trabalhar o motorista, com o Drivers Service, que oferece três etapas de treinamento para o condutor: na primeira, um treinamento individual na cabine do caminhão que ele vai conduzir ou já dirije; na segunda, a empresa mantém o motorista conectado com o dispositivo inteligente Driver Suport, que fornece informações e aconselhamentos no painel do veículo. Por fim, o treinamento continua na terceira etapa com o Driver Coaching, uma avaliação pessoal e corretiva por meio de contato frequente visando a melhoria, mesmo após o motorista passar pela primeira etapa, a fim de garantir que ele permaneça com as melhores práticas e evite vícios que diminuem seu desempenho e rendimento. Todo o processo é focado na melhora da performance e do consumo do combustível.

Fonte:  www.automotivebusiness.com.br

Cummins inaugura linha de produção de turbos para pesados

15/9/2017


Turbinas Holset serão fornecidas inicialmente para a Scania
GIOVANNA RIATO, AB

A Cummins inaugurou na quinta-feira, 14, nova linha de produção na fábrica da Holset Turbo Technologies de Guarulhos (SP). Com investimento de US$ 600 mil, a companhia instalou ali estrutura para fazer turbos para motores a diesel pesados, de 9 a 16 litros. O aporte adicionou 44 mil unidades à capacidade produtiva da planta, ampliando em 40% o potencial de 105 mil tubos por ano instalado ali até então, que era focado apenas em propulsores leves e médios para veículos comerciais. 

O investimento durante uma das mais severas crises pela qual a indústria de pesados já passou é justificado pela estratégia da companhia, que pretende ampliar o fornecimento de componentes direto às montadoras, no lugar de abastecer apenas as linhas de montagem da divisão de motores de própria Cummins. “Isso nos dará estabilidade em momentos em que a demanda por motores completos diminuir”, conta Ellen Costa, supervisora de vendas da divisão de turbos Holset. A estrutura permite ainda a nacionalização de componentes que, até então, eram importados. 

Esta foi uma das exigências para que a Cummins fechasse o primeiro contrato de fornecimento dos turbos feitos agora em Guarulhos, que serão usados pela Scania em seus novos motores de 13 litros com 450 e 510 cavalos e novo sistema de injeção direta de alta pressão, que vão equipar cavalos mecânicos 6x2 e 6x4 da marca. As turbinas começam a ser fornecidas a partir de fevereiro do ano que vem. “Em 2018 devemos fabricar 3 mil unidades, mas a ideia é fechar novos contratos e acelerar os volumes”, esclarece Pedro Pellegrini, gerente de manufatura, deixando claro que o aporte já mira em voos maiores. 

PRODUÇÃO DIGITAL
A linha de produção dos turbos emprega apenas dois funcionários. A instalação segue o conceito de indústria 4.0, com sistema totalmente digital que permite controle preciso dos processos, com armazenagem e organização de uma série de dados. “O projeto foi norteado pela meta de zero defeito. É isso que buscamos aqui. Todo o desenho foi muito colaborativo e contou com o envolvimento de diversos funcionários e até de clientes, que contribuíram com opiniões”, conta o executivo. 

Segundo ele, o resultado segue o conceito de manufatura enxuta, com a possibilidade de entregar turbos com alta qualidade e flexibilidade. “Podemos fazer aqui até 20 unidades por hora, mas temos possibilidade de produzir até 200 turbos diferentes sem precisar fazer grandes alterações.” Os componentes atenderão principalmente ao mercado interno, mas uma parcela da produção deve ser exportada para atender a demanda do aftermarket em outros países da América Latina. 

MERCADO COMEÇA A DAR BONS SINAIS
A Cummins avalia que a nova linha de produção chega em boa hora. Segundo Ellen, o mercado começa a dar sinais de retomada. Ela calcula que a demanda por turbos da Holset para o aftermarket cresceu 15% entre julho e setembro. “Temos nos surpreendido com números crescentes. A frota de caminhões está voltando a circular e as empresas estão começando a fazer manutenções que tinham adiado”, diz.

A executiva avalia, no entanto, que ainda é cedo para pensar em contratações. “Vamos esperar dados mais consistentes.” Desde 2015 a Cummins demitiu 400 trabalhadores e a fábrica de Guarulhos emprega agora 1,1 mil pessoas. Enquanto aguarda a recuperação se confirmar, a empresa contrata horas extras dos próprios colaboradores. Teremos turnos pelos próximos dois fins de semana”, conta.

Fonte:  www.automotivebusiness.com.br

GM abre terceiro turno e gera 700 empregos diretos na fábrica de Gravataí

14/9/2017


Complexo industrial produz os modelos Chevrolet Onix, líder de vendas no Brasil e América do Sul, e Prisma, o sedã mais vendido do país

GM decidiu ampliar a produção no Complexo Industrial de Gravataí (RS) abrindo um terceiro turno para atender à crescente demanda pelos modelos Onix e Prisma no Brasil e outros mercados estratégicos da América do Sul. Com isso, serão abertos 700 novos postos de trabalho.

A GM investimento de R$ 1,4 bilhão na fábrica de Gravataí, com o objetivo de fortalecer o negócio da empresa através do desenvolvimento de novas tecnologias e da introdução de conceitos inovadores de manufatura. Os investimentos também serão aplicados no desenvolvimento e produção de novos veículos, em adição aos já fabricados hoje.

“O sucesso do Onix, o carro mais conectado do Brasil e líder de vendas no mercado há três anos, e do Prisma, o sedã mais vendido do Brasil, nos incentivou a ampliar a produção, criando o terceiro turno na fábrica de Gravataí. O investimento de R$ 1,4 bilhão e os novos empregos que estão sendo gerados reforçam nossa confiança e compromisso com o Rio Grande do Sul e com o Brasil”, destaca Carlos Zarlenga, Presidente da General Motors Mercosul.

Os interessados às vagas poderão se credenciar até o dia 31 de outubro no site da Chevrolet (www.chevrolet.com.br) na seção “Trabalhe Conosco” e selecionando o cargo pretendido. As novas vagas concentram-se nas atividades de operador de produção e técnico de manutenção, sendo extensivas também a portadores de deficiência.

GM e suas subsidiárias e joint ventures produzem e vendem veículos com as marcas Chevrolet, Cadillac, Baojun, Buick, GMC, Holden, Jiefang e Wuling. A GM é líder em vários dos principais mercados automotivos globais e tem compromisso em liderar o futuro da mobilidade pessoal. Mais informações sobre a companhia e suas subsidiárias, incluindo OnStar, líder global em segurança veicular, patrimonial e serviços de informação, podem ser encontradas em nosso site www.chevrolet.com

Em 2017, as operações na Argentina e Brasil foram integradas na GM Mercosul. No ano de 2016 a Chevrolet vendeu nos dois mercados 445.616 mil veículos, sendo 345.916 mil no Brasil e 99.700 mil na Argentina. A GM Mercosul tem quatro Complexos Industriais que produzem veículos, motores e componentes em São Caetano do Sul, São José dos Campos e Gravataí, no Brasil e em Rosário, na Argentina. Conta ainda com unidades em Joinville (produção de motores e cabeçotes de alumínio), Mogi das Cruzes (produção de componentes estampados) e Indaiatuba (Campo de Provas), Centros Tecnológicos em São Caetano do Sul e Rosário e Centros Logísticos em Sorocaba e General Rodriguez, em Argentina. Mais informações podem ser encontradas no site http://media.gm.com/brasil e Twitter: www.twitter.com/GMBPress

GM decidiu ampliar a produção no Complexo Industrial de Gravataí (RS) abrindo um terceiro turno para atender à crescente demanda
 
Divulgação GM Mercosul

Fonte:  www.maxpress.com.br 

Freudenberg Performance Materials investe no setor têxtil e desenvolve linha de entretelas com aplicação diversificada

14/9/2017


Processo de fabricação tem controle rigoroso para atender aos principais requisitos da indústria, como design, qualidade e tecnologia

Mesmo atuando em um mercado com forte retração em termos de volume, a Freudenberg Performance Materials, empresa do Grupo Freudenberg, continua investindo no setor têxtil e de vestuário. Como fornecedor global de materiais de performance inovadores para uma ampla gama de aplicações, a empresa possui a maior e mais diversificada linha de entretelas tecidas e de não tecidos para este segmento, que podem ser encontradas em itens de moda feminina, masculina, de segurança, infantil e noiva, entre outros, atendendo aos principais requisitos do mercado.

Produzidas em diferentes gramaturas, acabamento e texturas, as entretelas podem ser encontradas em colarinhos, punhos e vistas de camisas, gravatas, paletós e blazers feitos em alfaiatarias. Para o mercado feminino, incluem-se itens para blusas, saias, corseletes, vestidos sociais, de noivado e formatura, além de estarem disponíveis na linha de acessórios e em diversas cores de forros. 

Reinaldo Cinquini, Diretor Comercial de Entretelas para a América do Sul, acrescenta que “para assegurar que as entretelas sejam entregues com a melhor qualidade e confiabilidade, a linha de produção da Freudenberg Performance Materials inclui rigorosos controles de materiais e processos. Desta forma, há a garantia que, se usadas corretamente, as entretelas agregarão às roupas beleza e conforto”. Estas são as características mais buscadas por homens e mulheres em uma peça, seja de trabalho, luxo, casual, do cotidiano ou alta costura. 

Além de atenderem aos requisitos de design, qualidade e tecnologia exigidos atualmente pelo mercado, a linha da empresa apresenta outras características importantes para o resultado final das peças de roupas: são resistentes a inúmeras lavagens, mantém a aparência e não perdem o caimento. Cinquini finaliza: “Em alguns casos, a boa apresentação da roupa é o cartão de visita da pessoa, pois produz uma impressão positiva ou negativa diretamente. Por isso, fazemos com que nossos produtos passem por todas as etapas até atingir a qualidade necessária para que isso aconteça”.

Sobre o Grupo Freudenberg
A Freudenberg é um grupo de tecnologia global que fortalece seus clientes e a sociedade de forma duradoura por meio de inovações orientadas para o futuro. Junto com os seus parceiros, clientes e institutos de pesquisa, o Grupo Freudenberg desenvolve tecnologias de ponta e excelentes produtos e serviços para mais de 30 mercados e para milhares de aplicações. Forte inovação, intensa orientação ao cliente, diversidade e espírito de equipe são os pilares do Grupo. A empresa, com 168 anos, vivencia fortemente seus valores: compromisso com a excelência, confiabilidade, pró-atividade e ação responsável. Em 2016, o Grupo Freudenberg empregou mais de 48.000 pessoas em quase 60 países em todo o mundo e gerou vendas de aproximadamente € 8,6 bilhões. Para obter mais informações, visite www.freudenberg.com 

Fonte: www.maxpress.com.br

Motorservice intensifica ações de relacionamento com clientes

14/9/2017

Motorservice intensifica ações de relacionamento com clientes

KS.165_

 

Para levar informações e aprimorar ainda mais o atendimento e suporte ao mercado, a Motorservice, responsável pela comercialização de componentes das marcas Kolbenschmidt (KS), Pierburg e BF, promove aproximação com clientes para poder identificar as necessidades de reparadores no dia a dia da operação e buscar soluções que podem ser úteis ao mercado.

Entre as iniciativas, são realizadas visitas de reparadores à planta de Nova Odessa-SP, onde são fabricados produtos destinados a montadoras e mercado de reposição, um complexo com 54 mil² de área de construída. Desta forma, os reparadores conhecem todos os processos de qualidade e entendem como funciona a fabricação dos componentes que aplicam, além de poder tirar dúvidas.

Foi exatamente para isso que a equipe do centro automotivo Thiery Car, localizado em Campinas-SP, tirou um dia para visitar a fábrica. Com 30 anos de experiência em reparo de motor, o proprietário da empresa, Thiery Silva, diz que sempre trabalhou com os produtos KS, mas não imaginava como era a estrutura da fabricante. “Fico ainda mais seguro com a marca ao ver de perto todo o procedimento de qualidade na produção, além de poder contar com o suporte técnico da assistência técnica“, comenta Silva.

A Motorservice vem ampliando as suas ações junto ao mercado de reposição. Desde 2013, com a inauguração do Centro de Treinamento, a empresa realizou treinamento técnico para mais de 5 mil profissionais, também adotou novas políticas comerciais e ampliou a linha produtos para atender a demanda.


Estrutura da empresa e as marcas 

Rheinmetall Automotive – área automotiva do Grupo Rheinmetall, conhecida como KSPG Automotive, que teve alteração na sua razão social seguindo o programa estratégico global do grupo, garantindo mais integração, identificação e compartilhamento de tecnologias entre área automotiva e defesa.

Marcas

Kolbenschmidt (KS): pistões, anéis, camisas, kits, bronzinas, filtros, válvulas e bielas.

Pierburg: bombas de óleo e bombas de água para a linha leve e produtos da linha mecatrônica.

BF: produtos para motores diesel, como bombas de óleo e bombas de água, virabrequim, eixo de comando, bloco,  bielas, camisas de cilindro, volante e  resfriador/radiador de óleo.


Motorservice – divisão responsável pelo mercado de reposição

Localização: empresa Alemã, com mais de 80 unidades de produção no mundo. No Brasil, a planta produtiva e operação comercial está localizada em Nova Odessa, no estado de São Paulo.

Fonte: Verso Assessoria de Imprensa



Mercedes-Benz traz ao Brasil novo sedã Classe S

13/9/2017

Modelo com preço inicial de R$ 769,9 mil recebe motor V8 de 469 cv

REDAÇÃO AB

Mercedes começa a trazer ao Brasil o novo Classe S. O carro recebeu mudanças no design externo e interno e traz inovações em equipamentos, com destaque para um novo motor. O carro tem preço sugerido de R$ 769,9 mil, equivalente à versão S 560 L. 

Seu motor V8 biturbo produz 469 cavalos e consome 10% menos gasolina que o modelo anterior. Para reduzir o consumo ocorre a desativação de quatro cilindros do novo V8 quando em uso moderado do acelerador. A transmissão é automática de nove marchas. 

A Mercedes utilizou teclas sensíveis ao toque no volante, que reagem a movimentos de arrasto, como a tela de um smartphone. Esses botões permitem que o motorista controle todo o sistema de informação e entretenimento sem tirar as mãos do volante. 

A central multimídia também pode ser operada por um touchpad no console central. A utilização do controle de velocidade de cruzeiro (piloto automático) e do Distronic (sistema que regula a distância dos veículos à frente) conta agora com ajustes diretamente no volante. 

A lista de itens de segurança inclui assistência a ventos laterais, Attention Assist (que percebe desatenção ou sonolência) e Active Steering Assist, capaz de ajustar automaticamente a velocidade antes de curvas fechadas ou cruzamentos. 

Além do S 560 L, a Mercedes também importa duas outras opções. A AMG S 63 4Matic, com tração integral, recebe motor V8 AMG 4.0 também com desativação de cilindros, mas produz 612 cv. Segundo a fabricante ele substitui um 5.5 V8 biturbo. O preço sugerido para o carro é de R$ 974,9 mil. 

O outro, topo de linha, é o Mercedes-AMG S 65 L, que recebe um motor de 12 cilindros e 630 cv. O preço de tabela é de R$ 1.166.900.

Fonte: AutomotivesBusiness

Pentair Hidro Filtros torna-se empresa Caxiense

13/9/2017


A empresa Pentair Hidro Filtros, pertencente ao grupo americano Pentair Inc., líder global em produtos e sistemas para água, se tornou no dia 05 de Setembro de 2017 uma empresa de controle Caxiense, de propriedade do Sr. Claudio P. Chaves, fortalecendo sua posição no Brasil. 

A Hidro Filtros está localizada em Caxias do Sul – RS, e emprega atualmente cerca de 130 colaboradores. Uma empresa altamente respeitada por ser inovadora e por oferecer um extenso portfólio de soluções para melhoria da qualidade da água no Brasil e países vizinhos.

A Hidro Filtros é pioneira em tecnologias de filtração de água no Brasil com parceiros por toda a América Latina. A empresa foi a primeira a desenvolver tecnologia própria para a produção de elementos filtrantes em polipropileno, através do processo de Melt Blown. Com isso, o mercado nacional passou a contar com um importante parceiro na filtração e purificação de fluidos com alta eficiência. Hidro Filtros está hoje entre as empresas que mais crescem e investem em filtração no Brasil.

Mensagem do diretor presidente Claudio Chaves:
“Um passo novo está sendo dado em nossa empresa. Como sabem, neste mundo corporativo, as mudanças são constantes e hoje gostaria de noticiar a aquisição da Hidro Filtros, que fazia parte do grupo americano Pentair desde 2011. A atuação da Pentair trouxe muita inovação em processos, produtos e cultura empresarial, nos destacando e premiando globalmente. Agora, como Diretor Presidente da Hidro Filtros, gostaria de dizer que estaremos empenhados em dar continuidade às nossas atividades com a integridade de sempre, inovação, pioneirismo e principalmente dando mais velocidade aos nossos projetos. Somos nós controlando o nosso destino, entregando a mais alta qualidade dos produtos Hidro Filtros.

Gostaria de informar que nosso relacionamento com a Pentair continua, como distribuidores de seus produtos, ou seja, continuamos tendo acesso ao que de melhor podem oferecer ao mercado.

Obrigado pela confiança!”

Claudio Chaves – Diretor Presidente

Fonte: Assessoria de Imprensa

Programa Descarte Consciente Abrafiltros completa 5 anos

13/9/2017


O Programa Descarte Consciente Abrafiltros, de logística reversa dos filtros usados do óleo lubrificante automotivo, criado em julho de 2012 pela Abrafiltros - Associação Brasileira das Empresas de Filtros e seus Sistemas - Automotivos e Industriais, completou 5 anos em 2017, com a marca de 8.561.386 filtros reciclados. “O resultado demonstra o compromisso da Abrafiltros e empresas associadas da CSFA – Câmara Setorial de Filtros Automotivos em cumprir a legislação ambiental, mesmo com o elevado custo do programa que não gera retorno direto ou qualquer reaproveitamento de resíduos para a própria cadeia produtiva, sendo pago integralmente pelas empresas participantes”, afirma João Moura, presidente da Abrafiltros. 

Moura explica que, após o uso, o filtro do óleo lubrificante automotivo, considerado Resíduo Perigoso Classe I, é coletado e processado por empresas homologadas para a destinação ambientalmente correta dos materiais. O metal é encaminhado e reprocessado por siderúrgicas para uso industrial, o óleo contaminado segue para empresas de rerrefino e os demais componentes são destinados ao coprocessamento em cimenteiras para geração energética e incorporação do material resultante da incineração na matriz do clínquer.

Evolução do programa - Implantado primeiramente no estado de São Paulo para atender a Resolução SMA 038/2011, o programa foi ampliado em fevereiro de 2013 para o estado do Paraná, em cumprimento ao Edital de Chamamento SEMA 01/2012. Em julho de 2015 foi estendido para o estado do Espírito Santo, atendendo ao Edital de Chamamento SEAMA  002/2014, e em dezembro do mesmo ano foi renovado em São Paulo, em conformidade à Resolução SMA 045/2015.

Neste ano, com a publicação da Resolução SEMAGRO/643 em junho no estado do Mato Grosso do Sul, que incluiu os filtros do óleo lubrificante automotivo entre os produtos para implantação de sistema de logística reversa pós-consumo, a Abrafiltros formalizou o Termo de Adesão em julho, com prazo para apresentar a proposta de implantação até julho de 2018.

A entidade também está desenvolvendo novo sistema administrativo que disponibilizará acesso direto de informações aos órgãos governamentais até dezembro, e iniciou a implantação da ISO 9001:2015 para certificar a gestão do programa Descarte Consciente Abrafiltros, ação precursora no país.

Como funciona o processo de reciclagem - A coleta e reciclagem são realizadas pela Supply Service, que atua na logística em São Paulo e Espírito Santo, e no Paraná, pela Geoquímica. 

“A participação no programa e nos Termos de Compromissos Estaduais garantem o cumprimento da legislação, evitando, assim, multas e sanções. Mas o avanço da logística reversa dos filtros do óleo lubrificante automotivo dependerá da aplicação efetiva das leis e responsabilização pelos órgãos governamentais de outras empresas fabricantes, importadoras, distribuidoras e comércios, para garantir o cumprimento da responsabilidade compartilhada prevista na legislação”, conclui. 

Atualmente, 15 empresas associadas participam do programa - Cummins Filtration do Brasil; Donaldson do Brasil Equipamentos Industriais Ltda.; General Motors do Brasil Ltda.; Hengst Indústria de Filtros Ltda.; Magneti Marelli Cofap Fabricadora de Peças Ltda.; Mahle Metal Leve S.A.; Mann+Hummel do Brasil Ltda./Filtros Wix; Parker Hannifin Indústria e Comércio Ltda. – Divisão Filtros; Poli Filtro Indústria e Comércio de Peças para Autos Ltda.; Rheinmetall Automotive - Motorservice Brazil; Robert Bosch Ltda.; Scania Latin America Ltda; Sofape Fabricante de Filtros Ltda./Tecfil; Sogefi Filtration do Brasil Ltda./Filtros Fram; e Wega Motors Ltda.
 

Para saber mais detalhes sobre o Programa Descarte Consciente Abrafiltros, basta acessar http://www.abrafiltros.org.br/descarteconsciente
 

Sobre a Abrafiltros:
Criada em 2006, a Abrafiltros - Associação Brasileira das Empresas de Filtros e seus Sistemas - Automotivos e Industriais – reúne os principais fabricantes de filtros automotivos e industriais do País. A entidade nasceu da necessidade do segmento ser representado e promove ações visando o desenvolvimento e fortalecimento do setor.






Mais informações:
Verso Comunicação e Assessoria de Imprensa
www.versoassessoriadeimprensa.com.br 

Filtração é um dos pontos mais estudados na hora de elaborar alimentos e bebidas

12/9/2017



As aplicações da filtração no segmento de alimentos e bebidas são muito amplas e diversificadas e vão desde as mais simples até as mais complexas, podendo ser total e completa ou apenas parcial. Seu objetivo é manter o produto adequado para consumo por maior tempo possível nas gôndolas dos supermercados. Além disso, aumentam o valor nutricional dos alimentos, garantem o controle microbiológico e asseguram a qualidade e a padronização dos produtos. O avanço tecnológico no processo de produção, ao contrário do que se pensa, requer menos uso de filtros, que são um dos pontos mais estudados hoje na hora de elaborar alimentos e bebidas. 

Avanço tecnológico requer menos filtros
Os processos de filtração estão cada vez mais sendo requisitados no mercado de bebidas e alimentos. “O consumidor está exigindo mais qualidade e as indústrias precisam garantir esta qualidade nos pontos de venda com uma validade cada vez maior. Logo, usando mais filtros nas etapas iniciais, menor será a probabilidade de ter contaminantes – particulados ou microbiológicos – nas etapas finais e maior a estabilidade dos produtos envasados/embalados”, diz o especialista em filtração de processos, Rogério Jardini, que faz treinamentos e seminários sobre o tema e fornece suporte técnico em vendas de filtros.
Henrique Braiti de Souza, executivo de desenvolvimento de negócios – O&G da Parker Hannifin, compartilha da opinião. “Com a fabricação de produtos em alta escala, é necessária a aplicação dos filtros ao longo do processo produtivo para garantir a qualidade dos produtos e assegurar o produto adequado para consumo por maior tempo possível, aumentando sua vida de prateleira e fortalecendo sua marca junto ao mercado consumidor”, ressalta. Além destes fatores, ele diz que o mercado nacional tem buscado se adequar às exigências da norma norte-americana Food and Drug Administration (FDA).
Quando se faz uma relação de que o avanço tecnológico no processo de produção requer o aumento do uso de filtros, Paulo Santiago de Araujo, gerente de contas Sr. da Separation and Purification Sciences Division (SPSD) da 3M, afirma que é exatamente o contrário. “Quanto mais avançado o processo de produção e utilização de novas tecnologias, os filtros são menos requisitados, pois o produto final chega aos equipamentos de filtração com uma quantidade de partículas baixa”, aponta. Ele explica que, nos últimos dez anos, o mercado de alimentos e bebidas no Brasil teve um grande crescimento de empresas e volume, porém, desde 2014, devido à crise, o volume está diminuindo e algumas empresas estão saindo do mercado. 


 

Principais objetivos da filtração no mercado de alimentos e bebidas
• Clarificação / Polimento;
• Classificação;
• Proteção de equipamentos;
• Controle microbiológico;
• Padronização de produtos;
• Reciclagem de líquidos;
• Conservação de energia;
• Controle de contaminação;
• Propriedades organolépticas.
Fonte: Rogério Jardini, especialista em Filtração de Processos.

 


Entre os mais estudados
“Os processos de filtração na elaboração de alimentos e bebidas é um dos pontos mais estudados atualmente. É no processo que se define a qualidade do produto a ser embalado e, por fim, consumido”, destaca Jardini. Segundo ele, os alimentos e bebidas constituem-se de vários compostos orgânicos e inorgânicos, gerando grande quantidade de partículas sólidas e coloidais. “Por esse motivo, os processos de análise e de filtração têm sido muito importantes para a claridade/transparência do produto e sua estabilidade coloidal e microbiológica”, assegura.
A produção e o consumo de alimentos e bebidas é uma das atividades mais antigas. No processamento de alimentos e bebidas, assim como em outras indústrias, a aplicação das novas tecnologias se desenvolve rapidamente. “Os requisitos fundamentais objetivam maior conveniência, maior apelo ao consumidor e, acima de tudo, padrões de excelência dos componentes, segurança e higiene, relacionados principalmente à vida de prateleira. Contam também o aroma e o sabor dos alimentos e das bebidas comercializadas”, avalia Jardini.
Para fazer o estudo de um sistema de filtração que será utilizado no processo de elaboração de um alimento ou bebida, é preciso fazer um levantamento do seu perfil. “Primeiramente, será necessário conhecer o produto a ser manufaturado, suas características físicas e químicas, o processo de fabricação e principalmente os problemas relacionados a aparência e gosto, como a turbidez e a contaminação microbiológica”, explica Jardini.

Exemplos dos filtros na produção
Todo processo que utiliza um fluido (gás ou líquido) que entrará em contato com o produto final a ser embalado deverá ser filtrado. Os alimentos e bebidas não transparentes não são filtrados, somente os produtos usados no processo de fabricação na área chamada de utilidades são filtrados. A filtração é aplicada em todos os fluidos da utilidade, que são: ar, água ou gases (vapor, Nitrogênio, Oxigênio e Dióxido de Carbono), produtos químicos para limpeza (alcalino ou ácido) e aditivos de processos, como estabilizantes, essências, xaropes, corantes, entre outros. “Enfim, todo fluido que entrará em contato com o alimento e/ou bebida deverá ser filtrado ou microfiltrado para que seus contaminantes não prejudiquem/contaminem o produto que está sendo processado”, esclarece Jardini.
Nas imagens abaixo referentes a uma cervejaria, Jardini retrata a produção de uma bebida transparente, que são as cervejas e chopes. Quanto à fabricação de um alimento não transparente, como queijos, iogurtes, achocolatados e vários outros, os processos seriam semelhantes, porém, para os produtos vapor, água, ar e gases estéreis e outros também usados na fabricação:




Dentro do mercado de alimentos e bebidas, praticamente todos os segmentos utilizam filtros. Porém, segundo Araujo, realmente o principal e maior usuário são as cervejarias. Elas usam desde o filtro simples para a remoção de partículas da cerveja; filtros esterilizantes para gases (ar comprimido ou CO2); filtros para estabilidade microbiológica do chope; filtros para redução de turbidez; até os sistemas mais complexos de ultrafiltração. 
Cada filtro atende a um objetivo para o produto cerveja. Os filtros para a remoção de partículas e turbidez, por exemplo, fazem com que a cerveja tenha um aspecto visual “limpo” dentro do copo dos consumidores. Os filtros para estabilidade microbiológica aumentam o shelf life do produto, tornando possível a comercialização do chope para locais distantes.         

Ultra e microfiltração
“Todo tipo de filtro é aplicado neste mercado. Isso depende muito da qualidade de filtração que se pretende dar ao produto final”, explica Jardini. De acordo com ele, logo nas etapas iniciais de processos, são utilizados filtros para retenção de partículas, desde um filtro tipo cesto metálico até de cartuchos. Todos os fluídos que entram em contato com um alimento e bebida deverão ser microfiltrados. “O objetivo é reter toda a carga microbiológica e não comprometer o produto na embalagem”, salienta.
O especialista adianta o que há de novo neste mercado de alimentos e bebidas. Na indústria de bebidas, são muito utilizados filtros chamados de pré-capa com auxiliares filtrantes de Terra de Diatomáceas. “Eles têm a finalidade de reter os contaminantes coloidais, gerando uma quantidade muito grande de resíduos. Estas minas de terra tendem a acabar, neste caso, os equipamentos de ultrafiltração automáticos estão solucionando este problema de forma segura e com excelentes resultados”, ressalta Rogério Jardini.
Outro processo muito usado que vem sendo substituído é o de pasteurização. Sua função é dar estabilidade microbiológica no produto embalado, mas, mesmo assim, ele compromete as características organolépticas do produto, como odor, paladar e cor, além de consumir muita energia, água e espaço físico. “Hoje a microfiltração vem substituindo estes equipamentos com grande economia e mantendo a estabilidade necessária do produto embalado”, afirma o especialista. 
Jardini equipara este mercado com o farmacêutico no futuro. “Num futuro não muito distante, o mercado de alimentos e bebidas estará muito próximo do que é hoje aplicado no mercado farmacêutico, com salas limpas e técnicas de boas práticas de fabricação cada vez mais apuradas e controladas”, prevê.
Os sistemas de filtração mais requisitados são voltados para o controle microbiológico. “Eles têm como objetivo melhorar a eficiência do processo produtivo, garantir a qualidade do produto e aumentar sua vida útil no mercado consumidor. Além de atender às exigências da norma do FDA em algumas etapas do processo produtivo”, salienta Souza.
Devido à sua praticidade e redução no tamanho dos equipamentos, Araujo considera os elementos filtrantes tipo High Flow para a remoção de partículas e microbiológicos como uma tecnologia que aos poucos irá substituir os elementos filtrantes convencionais.



Alto rendimento

Com foco no alto rendimento de filtração neste segmento, a Parker dispõe das linhas High Flow TetporII, elemento de membrana em PTFE com filtração estéril de 0,2 micra em líquidos e 0,01 mícron para gás, e BEVPOR PH, para filtração de líquidos.
A linha BEVPOR PH é um elemento em membrana de polietersulfona com camada de pré-filtração que minimiza os custos de estabilização microbiológica por unidade de volume, mantendo a qualidade e características do produto, requisito essencial na produção de bebidas.




Qualidade e padronização nas bebidas
A indústria de bebidas tem um leque de produtos diferenciados, entre eles: água potável, cervejas, vinhos, sucos, refrigerantes, laticínios, etc. e, ao longo de cada processo produtivo, é necessária a aplicação de sistemas de filtração específicos. “O objetivo é garantir o controle microbiológico e assegurar a qualidade e a padronização dos produtos”, ressalta Souza.
Dentro destas etapas de filtração, Souza destaca o tratamento da água de insumos e utilidades; a filtração de xaropes e concentrados aromáticos para refrigerantes; filtração do CO2 utilizado em bebidas gaseificadas; o processo de clarificação em cervejas, vinhos e água mineral; a estabilização bacteriológica no envase do produto; e a filtração de ar, gases e vapor, essenciais para o controle microbiológico na indústria de bebidas.



De acordo com Araujo, os processos de filtração dentro de uma indústria de bebida passa por tratamento da água (ETA); e remoção de grandes partículas com filtro de areia; de cloro com filtro de carvão; e de particulado fino com filtros tipo cartuchos. 

Valor nutricional e validade aos alimentos
Na indústria de alimentos, a filtração aumenta as caraterísticas nutricionais nos alimentos e a disponibilidade dos produtos nas gôndolas dos supermercados. Souza cita como exemplo a aplicação da ultrafiltração, que faz a separação parcial dos sólidos. 
Nestes processos, ao contrário da clarificação de um vinho ou de uma cerveja onde o objetivo do filtro é reduzir o particulado em suspensão contido no fluido, o produto final desejado poderá ser o sólido retido no meio filtrante, como, por exemplo, durante a fabricação de queijo. “Neste caso, alguns nutrientes presentes no soro são perdidos e, com a ultrafiltração, é possível extrair a proteína do soro, que é muito utilizada como suplemento alimentar, além de obter derivados de queijo com maior valor nutricional”, explica.
Os processos de ultrafiltração e microfiltração, conforme Jardini, são aplicados em fluidos diferentes: a ultrafiltração separa o soro do leite e, assim, produz derivados do leite mais puros e/ou consistentes. Já a microfiltração é usada nos fluidos utilizados no processo de fabricação dos derivados do leite, como: vapor, ar, Nitrogênio, água, vitaminas, conservantes e outros insumos. “O leite nunca é microfiltrado devido à presença de gordura, que dificultará muito o processo”, esclarece Jardini. Segundo o especialista, o soro passa por microfiltração, mas terá que ser tratado/preparado para isso por ter muita gordura e sujeira na forma de particulados sólidos e contaminação microbiológica. 

Contato das empresas:
Parker Hannifin: www.parker.com.br
Rogério Jardini: jardini.rogerio@gmail.com
Fonte: Meio Filtrante

Hidro Filtros, uma trajetória de sucesso

12/9/2017

Fundada em agosto de 1994, a Hidro Filtros do Brasil iniciou suas atividades desenvolvendo a tecnologia Melt Blown para elementos filtrantes em polipropileno, sendo pioneira neste tipo de tecnologia no Brasil.
Inicialmente a empresa estava focada no mercado avícola, porém no ano de 2000 percebeu um grande potencial deste produto aplicado a filtros de uso doméstico. Foi neste ano que o Sr. Claudio Pinto Chaves juntou-se à empresa para desenvolver novos produtos e promover soluções aos novos clientes, conquistando grandes contas que se perpetuam  até os dias de hoje! “Sempre estamos nos reinventando e ofertando soluções para que possamos crescer junto aos nossos clientes” conta o executivo.
A partir deste momento a empresa cresceu de forma ordenada e forte, conquistando novas contas e se tornando o maior provedor de soluções para filtração do setor.
Para contribuir o Sr. Claudio também esteve presente na fundação de importantes entidades dos fabricantes de filtros, como a Abrafiltros. “Claudio foi um grande incentivador na criação da revista Meio Filtrante, sendo um grande entusiasta do setor, nos apoiando na criação de matérias para a revista. Além disso contribuiu na criação da Abrafiltros – Associação Brasileira de Filtros, sendo participativo e nos apoiando em temas importantes para o setor”, afirma Moura, presidente da Abrafiltros e fundador da revista Meio Filtrante.
Outro marco importante foi a participação ativa no desenvolvimento de normas que regulamentam o fornecimento de filtros, como a NBR 16098. 
O  crescimento da Hidro Filtros chamou a atenção de grandes empresas a nível mundial, que queriam se inserir no mercado brasileiro, como a Pentair, que em fevereiro de 2011 adquiriu toda a operação da Hidro Filtros no Brasil.
“A Pentair agregou em muito nosso portfolio de produtos e trouxe práticas de gestão e manufatura, como o Lean Manufacturing, que nos fez crescer ainda mais no mercado brasileiro”.
Em 2012 adquiriu o grupo Sibrape, empresa especializada em soluções para piscinas com nome reconhecido no mercado de soluções para sistemas aquáticos. Estas aquisições representaram a visão de futuro e a diversificação da Pentair em todo o Brasil.
Com o crescimento das atividades no Brasil, e a complexidade de gerir equipes de diversos segmentos de negócios, a Pentair convidou Sr. Claudio para posição de VP de Marketing e Vendas para a América Latina, por sua visão empresarial, capacidade de gestão e um histórico de crescimento com sucesso em seus negócios nos mercados da América Latina, estando à frente de diversos projetos para os mercados de Alimentos e Bebidas,  Movimentação de Fluidos, Água e Filtros para aplicações residenciais, comerciais e industriais, com fábricas em Caxias do Sul / RS, Jundiaí / SP e Buenos Aires / AR.



Já em 2015, com a nova fusão com os negócios no mercado de piscinas, o executivo ficou também à frente da unidade de Ribeirão Preto / SP, a Sibrape.
Em janeiro de 2017, após 6 anos como executivo da Pentair, Claudio decide deixar o mundo corporativo.
Recentemente a Pentair decidiu alterar o formato das atividades no Brasil, negociando a Hidro Filtros. Claudio Chaves voltou a ser novamente o proprietário, e também distribuidor local, porém mantendo os rigorosos padrões internacionais da empresa.
“Voltei porque acredito muito na marca, nas qualificações dos nossos colaboradores e na expertise que detemos, mantendo uma postura de integridade, inovação, adaptabilidade e confiança. Tenho a convicção de que este negócio seguirá crescendo, e agora com maior velocidade, além do mais, temos um relacionamento global que nos proporcionará o ingresso de tecnologias e ampliação de nossos horizontes.”
 
Produtos e soluções
O foco da Hidro Filtros é oferecer soluções aos clientes, contribuindo com materiais de apoio de vendas e produtos que lhes tragam alta rentabilidade e com rigorosos padrões de qualidade.
Residencial: produtos POU – Ponto de Uso e POE – Ponto de Entrada com certificação acreditada pelo Inmetro. Estes produtos são desenvolvidos conforme normas da ABNT, o que garante a qualidade e condições de uso. São fornecidos em embalagens próprias para o Ponto de Venda com informações práticas para os consumidores finais.



Industrial: A empresa conta com uma gama completa de filtros e elementos filtrantes em polipropileno sendo plissados, bobinados, em melt blown ou tipo bag. Também fornece tanques em aço inox para mercados como alimentos e bebidas, papel e celulose, mineração, tintas, entre outros.
Fornece ainda tanques de polipropileno com fibra de vidro, para filtração por areia, resina e carvão ativado, e válvulas de controle automático, que facilitam a operação e manutenção dos produtos.



Soluções OEM: nossa engenharia está sempre focada em soluções para nossos clientes. Seja com elementos filtrantes em dimensões específicas, ou produtos completos, produzidos nos mais altos padrões de qualidade.


Perspectivas

Nossa perspectiva é muito otimista. O país está saindo de uma crise muito forte, porém tivemos que nos adaptar, reorganizar e agora estamos mais sólidos para o nosso crescimento. O que queremos é levar soluções de elevado padrão que contribuam para a qualidade de vida das pessoas, além de produtos de alta performance e rentabilidade para nossos clientes. O Brasil tem jeito, e nós fazemos parte desta história.

 


Pentair Water

www.pentairhidrofiltros.com.br
Tel.: (54) 3213-6300

 

Fonte: Meio Filtrante

Manutenção dos filtros do carro de forma planejada, econômica, prática e confiável

6/9/2017

Por Cristiane Rubim - Revista MEIO FILTRANTE

O consumidor está criando maior consciência sobre a troca dos filtros de seu carro e vendo que não é tão complicado assim fazer a manutenção. A falta de informação do consumidor está sendo suprida pelo entendimento de como fazer e por que fazer a troca dos filtros. O que parecia complicado está descomplicando, independentemente da crise econômica ou não. Seguindo as dicas e informações dos especialistas, o consumidor estará fazendo a manutenção de forma planejada, econômica, prática e confiável. “Antes fazer uma manutenção preventiva do que uma corretiva, ou seja, melhor prevenir do que remediar”, ressalta João Bezerra de Lucena Filho, técnico da Assistência Técnica da Tecfil. 

Com o hábito, fica mais fácil
O consumidor precisa criar o hábito de fazer a manutenção dos filtros. Depois que acostumar, ficará mais fácil a cada troca. O hábito de manutenção deve ser inserido no calendário do consumidor desde o momento que ele adquiriu o carro. “Estar atento às manutenções programadas pela montadora, as últimas indicações do profissional reparador que fez a manutenção e sempre ler sobre o seu veículo. O aprendizado nunca é demais; quanto mais tiver informações sobre o automóvel, mais atento estará sobre suas especificações e cuidados”, explica André Gonçalves, engenheiro técnico da Mann-Filter Brasil. 
Mesmo assim, há muitos motivos pelo quais o consumidor acaba deixando passar do tempo ou esquecendo de fazer sua manutenção. “O ideal é ele buscar oficinas ou autocentros que hoje oferecem um serviço informatizado de troca. Quando está chegando o período de fazer novamente a manutenção, eles avisam o cliente por meio de um SMS. Isso evita o esquecimento e cria o hábito seguro para o cliente e a manutenção do seu veículo”, aconselha Lucena Filho.
Neste caso, o consumidor tem que pesquisar os locais que fazem este tipo de serviço para fazer a escolha. “A dica é procurar uma empresa responsável e de sua confiança, que ofereça produtos e serviços com as especificações de fábrica e garantia”, recomenda Paulo Roberto Giancolli, diretor proprietário do Rei do Óleo Grande ABC. Uma forma de criar o hábito do consumidor é com um atendimento técnico. “Ele fornece informações antes, durante e após a manutenção do veículo”, posiciona.
O consumidor não habituado à manutenção de veículos deve procurar orientação de um profissional da área. “Os inúmeros postos de serviços especializados em troca de óleo e filtros poderão identificar corretamente o modelo adequado para cada veículo”, indica João Paulo Moreira Magalhães, coordenador de produto da Notria. 
“Filtros como de óleo, ar e combustível, quando não são trocados da forma e no prazo corretos, podem acarretar problemas maiores para o consumidor”, diz Daniel Ruy, supervisor de marketing da Wega. Já os filtros de cabine, para ar condicionado, a troca pode ser realizada de maneira rápida e simples pelo usuário porque é para sua saúde e de sua família. “Dependendo da saturação do filtro, os passageiros podem estar respirando um ar seis vezes mais poluído dentro do carro do que o ar externo”, aponta. 
Para o caso de realizar a troca dos filtros do veículo em casa, o popular “faça você mesmo”, Ronilso Toledo, supervisor de assistência técnica da Sogefi, diz que, primeiramente, deve-se ter algum tipo de aptidão e conhecimento para este trabalho. “Se unir esse preparo ao gosto pela mecânica, melhor ainda, é possível economizar e transformar a tarefa num hobby”, ressalta. É preciso levar em conta o tipo de filtro que se deseja trocar. Os mais fáceis de substituir são os elementos filtrantes do ar e do ar-condicionado. Outro facilitador é possuir algumas ferramentas básicas, como chaves de fenda e Philips, usadas na troca de quase todos os filtros de ar e cabine.

Informações disponíveis
“O que ocorre, na maioria das vezes, é a falta de informação do proprietário sobre a tecnologia embarcada no veículo. Por receio ou mesmo medo, ele acaba seguindo as orientações de seu mecânico para não ter ou não criar problema”, avalia Lucena Filho. Segundo ele, os manutentores que buscam especialização ou formação adequada têm conseguido sanar as dúvidas dos clientes. “Porém, existem muitos profissionais tradicionalistas que ainda não buscaram se especializar ou se atualizar quanto às novas tecnologias”, aponta. Hoje o consumidor tem informações por todos os lados, o acesso por meio dos veículos de comunicação impressos e Internet. “O trabalho de pós-vendas das montadoras, assim como as informações na entrega dos carros no momento da compra, também ajuda na manutenção mais frequente. As fabricantes de autopeças estão desenvolvendo trabalhos de comunicação que cercam o cliente de informações sobre a importância da troca correta de peças”, ressalta Gonçalves.
A Mann-Filter tem feito um trabalho de comunicação sobre a importância da manutenção de filtros e tem conseguido bons resultados que se refletem na procura no Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC) da companhia. “Tanto a manutenção de carros usados quanto dos mais novos está deixando o proprietário mais atento. Hoje o consumidor quer um produto duradouro, com vida útil longa e que tenha baixa manutenção. Por isso, o público está buscando mais informação para entender como realizar uma manutenção adequada”, avalia Gonçalves.


Os consumidores estão ampliando os seus conhecimentos sobre o automóvel e sua manutenção. Para Toledo, atualmente, qualquer pessoa consegue todas as informações que necessita em vídeos na Internet, sites especializados, páginas dos fabricantes, fóruns de proprietários, blogs, redes sociais, aplicativos etc. “Com todo esse suporte técnico à disposição, muitos proprietários estão se animando a realizar as manutenções mais básicas que não requerem tanta prática ou ferramentas específicas”, diz.
E isso é verdade. Hoje, com a facilidade da Internet, segundo Ruy, muitos consumidores estão se “aventurando” na manutenção dos próprios carros. Isso é mais frequente com o filtro de cabine, para ar condicionado, que é de fácil manutenção. “Poucos aplicadores focam nele, por não resultar em problemas maiores ao carro, mas não realizar a manutenção dele tem como consequências severas à saúde. Se for feita uma pesquisa no YouTube, serão encontrados muitos vídeos explicativos da maioria dos modelos”, indica.
Toledo cita o caso do dono de um veículo que entrou em contato com o SAC da Fram, uma das linhas de filtros automotivos com a qual a Sogefi trabalha, pedindo orientação sobre como fazer a troca do filtro de ar. “No carro dele, a tampa era fixada com presilhas e o procedimento era muito simples. Explicamos em detalhes o que deveria ser feito e os cuidados a serem tomados. O cliente realizou a manutenção sem qualquer problema”, conta.
É preciso lembrar que, antes da Internet, a dificuldade era maior. De acordo com Toledo, o proprietário precisava procurar o código no filtro usado ou ter acesso a um catálogo impresso, o que nem sempre era fácil, apenas para conseguir comprar o produto certo para o seu veículo. “Hoje, no caso da Fram, é possível fazer essa busca em segundos, a partir de um aplicativo instalado no celular. Cada vez mais, os fabricantes vão oferecer essas praticidades aos seus clientes”, destaca. 
Na opinião de Magalhães, tanto as montadoras quanto os fabricantes de filtros sempre ressaltaram a necessidade da correta manutenção nos veículos. Porém, o grande marco da mudança do hábito do consumidor foi a obrigatoriedade da inspeção veicular. “A partir disso, o consumidor passou a entender que, além dos benefícios de economia de combustível, preservação do veículo, valorização na revenda etc., existe outro fator muito importante, que é a preservação do meio ambiente”, relaciona. 



“A informação dita essa postura. Hoje o consumidor está mais consciente e tem em mãos formas variadas de acesso às necessidades de seu veículo, assim como produtos, compatibilidade, marcas e preços”, ressalta Giancolli. Ao longo desses anos, ele também adquiriu conhecimento sobre os procedimentos necessários para a troca de óleo. “O técnico-trocador do óleo deve instruí-lo sobre a função do óleo, especificações, validade e função do filtro”, salienta. 
“Por isso, não acreditamos que o cliente esteja desinformado. As montadoras, por meio dos manuais, oferecem as instruções necessárias para a manutenção do veículo. Nossos clientes são informados da validade e necessidade da troca dos filtros quando comparecem à nossa loja”, analisa Giancolli. Segundo ele, a cada troca, a loja registra em sistema os componentes trocados e a manutenção realizada, ficando relacionados todos os serviços executados e o cliente fica a par de quando precisará fazer a manutenção de novo. “O cliente leva uma cópia da Ordem de Serviço (O.S.), além de informações anotadas sobre a validade dos componentes e a quilometragem ou tempo de substituição dos filtros e fluidos”, explica.
Com a crise econômica, o consumidor não trocou o carro antigo por um novo e agora precisa fazer a manutenção do veículo. “Independentemente da crise, a necessidade da troca de óleo, filtros e manutenções existe, o cliente tem ciência disso e não pode fugir dessa responsabilidade”, afirma Giancolli.

Planejar e fazer a manutenção
Os especialistas explicam como fazer a correta manutenção dos filtros nos carros de passeio de uma maneira planejada, econômica, prática e confiável. Com a diversidade de veículos e rápida evolução tecnológica dos motores, a dica inicial é sempre procurar informações no manual do veículo porque nele estão as principais recomendações da montadora para a manutenção correta do automóvel. Além disso, é preciso fazer as trocas dentro da periodicidade apontada no manual e conforme as especificações das montadoras, porque cada componente tem um tempo de uso.  
É preciso seguir os intervalos de troca indicados nos manuais dos veículos. “Esses prazos são estabelecidos com grande rigor técnico. Quem os ignora acaba tendo uma série de problemas, desde um aumento no consumo do veículo ou uma alergia respiratória até grandes prejuízos com um motor completamente danificado”, aconselha Toledo. 
É necessário ter algum conhecimento técnico e as ferramentas corretas. “Caso contrário, poderá fazer algum procedimento incorreto e causar uma série de problemas ou quebras de componentes”, diz Toledo. O consumidor pode encontrar informações em outras fontes como foi dito acima. “Revistas especializadas, catálogos e sites dos fabricantes de filtros e vídeos na Internet, tendo cuidado em ser de fonte confiável”, orienta Magalhães.
Para evitar qualquer prejuízo no futuro, o dono do veículo deve sempre verificar se a peça é original. “Utilizar produtos de qualidade, de preferência, fabricados por empresas que fornecem peças originais para as montadoras”, alerta Toledo. 
“É importante identificar corretamente o filtro que será trocado. Filtro ‘parecido’ ou ‘do mesmo tamanho’ não significa que pode substituir o correto”, adverte Magalhães. Ele explica que existem detalhes imperceptíveis entre eles, como diferenças milimétricas de dimensão, meio filtrante e área filtrante, tipo de rosca, posição das vedações, existência ou não de válvulas internas e pressão de abertura dessas válvulas diferente. 
Fazer o exame minucioso do filtro que está sendo substituído, por exemplo, se houver rasgos no filtro de ar ou manchas de óleo, vazamentos ou borras no filtro de óleo podem indicar que já existem problemas no motor com contaminação das partes móveis. “Nesse caso, somente a troca do óleo e dos filtros pode não ser suficiente para retornar o motor às condições ideais de operação, sendo necessária uma revisão por um mecânico de confiança”, recomenda Magalhães.
A prática corrente no mercado, principalmente para os filtros de óleo, é trocar o filtro a cada duas trocas de óleo. “Essa prática está totalmente incorreta, pois, ao colocar o filtro de óleo sujo, você irá contaminar o óleo limpo que acabou de colocar. Por isso, recomendamos a troca do filtro junto com a troca do óleo”, diz Ruy. 
Para que os gastos sejam reduzidos, a Wega orienta que os consumidores façam a manutenção preventiva do veículo. “Uma vez que o carro tenha que ir para o mecânico por conta de um filtro que não foi trocado no prazo correto, as consequências são muitos grandes, podendo até fundir o motor do carro”, adverte Ruy. Por isso, segundo ele, os consumidores devem efetuar a troca completa dos filtros.
“Outro passo é entender onde o veículo é utilizado. O ambiente é severo? Esta pergunta pode modificar toda a manutenção previamente estabelecida”, esclarece Lucena Filho. O filtro do ar, por exemplo, deve ser trocado sempre que estiver muito sujo. “Nunca fazer limpeza, jatear ar comprimido, porque isso danificará os poros, aumentando a passagem de contaminantes, vindo até a fundir o motor do automóvel”, alerta.
Outra pergunta: o veículo roda em ambiente que tem muito trânsito e engarrafamento? “O óleo e o filtro do óleo sofrerão desgaste, onde o hodômetro não será capaz de medir. Em vez do hodômetro, seria medido mais facilmente no horímetro, como é feito em veículos da linha pesada”, ressalta Lucena Filho. 
Situações de uso mais severas realmente podem adiantar a troca dos filtros para garantir o bom desempenho do carro. Um veículo que trafega em áreas urbanas, com muita poluição, pode ter a vida útil do filtro do ar menor, assim como aqueles que passam por congestionamento com muita frequência. “Nesse caso, é preciso ficar atento a todos os filtros, de ar, óleo, combustíveis e cabine, que estão trabalhando e retendo impurezas mesmo sem registrar aumento de quilometragem”, explica Gonçalves.
Veículos de uso misto que trafegam em estradas de terra terão períodos menores de troca de filtro do ar. “Os filtros de combustíveis e de óleo lubrificante também sofrem influência, assim como o próprio óleo, pelo uso de combustíveis adulterados ou de má procedência”, afirma Magalhães. Por exemplo, o filtro do combustível pode ter sua capacidade de trabalho diminuída. “A orientação é sempre abastecer o veículo em postos embandeirados que tenham selo de qualidade e a cada 15 mil km fazer a manutenção deste filtro”, diz Lucena Filho. 
O filtro da cabine pode exigir troca antecipada caso o material seja de má qualidade. “Ele acaba não retendo todas as partículas e aumentando a sujeira do ar dentro do habitáculo”, salienta Gonçalves. 

Passo a passo de uma correta manutenção dos filtros nos carros   
O primeiro item de troca no veículo, de acordo com Sérgio Gazarini, diretor comercial da Seineca, é o óleo do motor e depois vêm os filtros. A ordem dos filtros: primeiro, o filtro de óleo, a cada 5 mil km ou 10 mil km; depois, o filtro de cabine, conhecido como filtro do ar condicionado, trocado a cada seis meses quando for de antipólen ou a cada ano quando for de carvão ativado devido às suas propriedades mais resistentes; depois, o filtro de ar do motor, que deve ser trocado, em média, a cada 10 mil km em ambiente urbano ou com maior periodicidade em condições extremas; e, por fim, o filtro de combustível, que acompanha a manutenção do filtro de ar, isso para manter o sistema de injeção perfeito por mais tempo, evitando manutenções no sistema. 
Os filtros garantem a eficiência de consumo e a longevidade do motor do veículo. “Se quer preservar seu veículo por mais tempo sem manutenções indesejadas, mantenha a troca constante dos filtros e não se esqueça que, a cada troca de óleo, se deve trocar o filtro de óleo para não ficar contaminantes no sistema”, recomenda Gazarini. Ao lado, você confere informações e dicas sobre a instalação dos filtros. Mesmo assim, frisamos que cada modelo de carro tem uma particularidade de instalação dos filtros, por isso, é importante seguir o manual.



Filtro do óleo 
O filtro do óleo impede a circulação de impurezas no motor e deve ser substituído a cada troca do óleo lubrificante, feita de acordo com o manual de manutenção do veículo. Antes de trocar o filtro de óleo, é muito importante verificar se é o filtro certo para a troca e o óleo indicado para o modelo do veículo. Aplicar sempre óleo, o mesmo usado na superfície da junta do filtro. Não usar nenhum outro tipo de produto como: vaselina, graxa etc. O filtro de óleo deve ser trocado a cada 5 mil km ou 10 mil km. 
Além de reter todas as impurezas trazidas pelo óleo, o filtro do óleo ainda tem uma válvula antirretorno que mantém uma parte do óleo sujo dentro dele. A prática de trocar o óleo e não substituir o filtro pode travar o motor ou trazer problemas indesejáveis. Utilizar o óleo sujo além da quilometragem especificada pelo fabricante causa borra no motor e pode até fundi-lo. E não fazer a troca do filtro reduz a durabilidade do óleo novo no motor. Outro motivo para o óleo lubrificante e o filtro do óleo serem trocados simultaneamente é porque seguem regras de descarte controladas pelas leis ambientais de cada Estado.
   
Outras dúvidas
Surgem outras dúvidas na hora da troca. Por exemplo, não é necessário que o filtro esteja cheio de óleo. Existem carros que trabalham com o filtro deitado, não sendo possível enchê-lo sem que ele vaze. Como o motor fica em funcionamento, existe um filme de óleo nas partes móveis protegendo a primeira partida após a troca.
O excesso de aperto do filtro de óleo na hora da troca danifica a junta e poderá causar vazamento do óleo e dificuldade para remoção do filtro antigo. Se for usada a chave extratora de filtro do óleo, ela pode causar danos na carcaça do filtro blindado e posterior vazamento.
A válvula antirretorno mantém o filtro e as galerias cheias de óleo, mesmo com o motor desligado. Se a válvula for de baixa qualidade, a ação perde sua função, porque, na primeira partida do dia, o motor não terá lubrificação. Caso se repita dia após dia, poderá ocasionar danos irreversíveis. 
A válvula de segurança atua em situações de emergência. Quando o veículo passou do período de troca, esta válvula irá abrir e permitir a passagem do óleo sujo, mantendo a lubrificação mesmo com o filtro do óleo saturado. 
Modelos específicos de carros utilizam filtro refil/cartucho com menos componentes e que diminuem o impacto ambiental. Os novos veículos têm apenas o meio filtrante e não a carcaça metálica e outras peças que compõem  o filtro, os chamados filtros ecológicos. Nos congestionamentos das grandes cidades, no momento que o veículo não está andando, permanece com o motor ligado e com o óleo circulando entre as galerias, trabalhando em alta temperatura por mais tempo com entrada e produção de contaminantes no óleo. Fazer as manutenções preventivas com antecedência neste tipo de situação é muito importante.

Passo a passo:
1. Tire a tampa de abastecimento do óleo e a vareta indicadora do nível do motor.
2. Esgote o óleo através do dreno do cárter, ainda com o motor aquecido.
3. Retire o filtro, utilize uma ferramenta projetada para a operação.
4. Limpe a área de vedação do bloco do motor com um pano limpo, evitando estopas para não deixar fiapos que podem provocar vazamento ou outros problemas até mais graves.
5. Troque o anel de vedação do dreno do cárter.
6. Verifique se a junta de vedação do filtro está bem assentada em seu alojamento e unte-a levemente com óleo limpo do motor.
7. Rosqueie o filtro no cabeçote até a junta encostar-se à área de vedação do motor; em seguida, aperte manualmente 3/4 a 1 volta, aproximadamente.
8. Encha o cárter do óleo até o nível indicado.
9. Dê a partida no motor e verifique se a lâmpada indicadora do painel se apaga em, no máximo, 10 segundos.
10. Com a luz do óleo apagada, mantenha o motor ligado e verifique se há vazamento de óleo na região da vedação do filtro ou dreno do cárter. Se houver, desligue o motor e reaperte o necessário. Caso o vazamento persista, remova o filtro e verifique novamente a área de vedação e, em seguida, reinstale o filtro ou um novo anel de vedação.

Filtro de cabine (para ar condicionado e sistema de ventilação)
Fazer a manutenção preventiva do filtro de cabine protege o sistema de ar-condicionado e sistema de ventilação. Ele é responsável por filtrar o ar que circula no sistema de ventilação. Grandes concentrações de fuligem, poeira e gases tóxicos presentes no ar entram no interior do carro pelo ar-condicionado ou sistema de ventilação, podendo afetar a saúde dos motoristas e ocupantes. 
Depende do tipo de ambiente o carro anda. Em locais com muita terra ou arenosos, o filtro fica muito contaminado. A umidade do próprio ambiente acaba deteriorando todas as propriedades do filtro, o que prejudicará o funcionamento do sistema de ar condicionado. É recomendada a troca a cada 10 mil km ou seis meses. “Em regiões de muita poluição ou com muita terra, a verificação deve ser feita a cada três meses, já que o filtro pode estar saturado antes do prazo recomendado”, orienta Daniel Ruy, supervisor de marketing da Wega.

Passo a passo: 


Filtro do ar do motor 
O filtro de ar retém as partículas contidas no ar, impedindo a entrada de contaminantes no motor, como poeira, fuligem e areia, para que somente ar limpo chegue aos sistemas e câmara de combustão. Nela, entra ar na quantidade ideal para a mistura ar/combustível equilibrada com uma queima perfeita. Todo esse processo evita desgastes nas partes móveis do motor, como pistão, anéis, camisa etc. Um filtro muito sujo pode aumentar o consumo de combustível. A troca deste filtro é a cada 10 mil km em zona urbana ou mais vezes em condições extremas.
Não se deve fazer qualquer tipo de manutenção neste filtro, somente a troca. Tentar limpar o filtro de ar com jato de ar comprimido ou por meio de impactos provoca o rompimento do papel e/ou danos na estrutura do elemento filtrante, ou seja, o filtro perde suas funções. O ar comprimido abre os poros do papel, deixando passar impurezas indesejáveis e levando o motor ao travamento parcial ou total ou prejudicando partes de seu funcionamento. 
Não colocar pano/estopa na entrada de ar limpo no motor. Ao fazer a troca do filtro, alguém pode ligar o veículo ou esquecer o pano ao montar o sistema. Se precisar proteger o local, cobrir apenas no momento da limpeza da carcaça do filtro para não entrar impurezas no motor. Verificar a posição da braçadeira da mangueira do ar limpo, pois, ao final do processo, ela deverá ser montada na mesma posição inicial para que haja uma vedação perfeita. 
A troca do filtro do ar deve ser feita de acordo com a recomendação do fabricante. Se o veículo trabalha nas grandes cidades onde existe muito pó, poluição e congestionamento, apesar de não estar rodando, o motor fica ligado e aspirando o ar sujo. Neste caso, a troca do filtro deve ser feita com mais frequência.

Passo a passo
1. Remova a tampa da carcaça do filtro, soltando os prendedores ou parafusos.
2. Retire o elemento filtrante já usado e limpe o interior da carcaça, atenção especial para a área de vedação, essa é uma das maiores causas de contaminação dos motores, onde o elemento vai se apoiar (evitar estopas e jatos de ar).
3. Coloque o novo elemento, seguindo as instruções do fabricante quanto à sua aplicação.

Dicas importantes:
• Antes de começar a troca, verifique se a peça comprada é a correta e exata para o modelo. 
• Remova o filtro velho com cuidado. Movimentos bruscos enquanto o elemento ainda está dentro da carcaça podem ocasionar entrada de contaminantes no motor.
• Limpe o interior da carcaça do filtro de ar com cuidado. Não utilize estopas ou jatos de ar. De preferência, use um aspirador de pó e finalize com um pano umedecido que não solte fiapos.
• Pelo elemento filtrante usado, pode-se perceber se há vazamentos e problemas de vedação. Sinais de contaminação na parte limpa do filtro indicam que há falhas na vedação do sistema de captação do ar ou perfuração na peça.
• Antes de instalar o novo filtro, elimine qualquer problema de contaminação.
• Confira se o elemento filtrante comprado possui uma junta deformável que retorna à forma original quando cessada a pressão realizada. A qualidade da vedação é uma das partes mais importantes de um filtro de ar.
• Assegure-se de que a junta monta e assenta perfeitamente na carcaça do filtro.
• Verifique se todos os dutos, conexões, abraçadeiras e flanges estão bem fixados e em perfeito estado. Qualquer avaria pode contaminar seriamente o motor.

Filtro do combustível 
O bom funcionamento deste filtro depende da qualidade do combustível abastecido. Por isso, deve-se procurar postos de gasolina de confiança. 
A manutenção deve ser feita a cada 15 mil km. A Mann-Filter cita como exemplo a função dos seus filtros do combustível, que retêm partículas, como ferrugem e resíduos do tanque, em todos os motores de combustão movidos a gasolina ou álcool. Eles protegem carburadores, bicos de injeção e agregados sensíveis do sistema de alimentação do combustível.
Fazer a troca do filtro do combustível por último para evitar a pressão/vazamento, porque não existirá mais pressão na linha de combustível, evitando que o combustível espirre no mecânico. Usar a chave adequada para a troca do filtro, pois, sem ela, pode-se danificar o engate rápido. 
Antes de colocar o filtro novo, checar o sentido do fluxo, pois a inversão dos lados poderá inverter o processo correto de filtragem. Com isso, diminui a vida útil e poderá soltar o elemento interno de filtragem, havendo perda de potência. Nunca realizar a troca deste filtro com lâmpada incandescente próximo do local de troca, porque, se a lâmpada quebrar sobre o combustível, pode causar incêndios.

Passo a passo: 
1. Solte o engate rápido ou as abraçadeiras com uma chave adequada.
2. Solte o filtro do suporte da carroceria do veículo.
3. Retire o filtro já usado.
4. Verifique se as mangueiras estão em condições de uso.
5. Coloque somente o filtro indicado no suporte, fixando-o manualmente.
6. Aperte as abraçadeiras ou o engate rápido.
7. Dê partida no motor e verifique se há vazamento. Caso haja, reaperte-o.
Obs.: em caso de engate rápido, soltar novamente, verificando o anel de vedação.
Fontes: Mann-Filter, Sogefi, Notria, Tecfil, Wega, Seineca e Rei do Óleo Grande ABC. A Mann-Filter usou exemplo da aplicação em veículos Chevrolet Montana e VW Gol. 

Evolução constante
O que vem por aí neste mercado mostra muita mudança ainda. “As novas tecnologias dos motores e o aumento dos controles ambientais, da eficiência energética e da utilização de combustíveis múltiplos têm exigido evolução constante da tecnologia dos sistemas de filtragem, dos filtros e de seus elementos de reposição. Filtros menores e mais eficientes que gerem menos resíduos ou ainda que sejam reutilizáveis são exemplos das recentes inovações que estão vindo por aí”, destaca Magalhães.
Outra tendência é a aplicação de meio filtrante sintético para melhorar a eficiência e durabilidade dos filtros. A aplicação de elementos ecológicos sem componentes metálicos ou adesivos nos novos motores em substituição aos filtros brindados também é cada vez maior. “Além de gerarem menos resíduos e reterem menos óleo no seu descarte, em alguns países, esses elementos já são incinerados em geração de energia industrial”, diz Magalhães.
Todas as montadoras estão migrando para os novos motores equipados com filtro do óleo com refil ecológico. “Os manutentores precisam equipar as oficinas com ferramentais adequados para poder atender a esses motores, pois os ferramentais convencionais utilizados nos filtros blindados não servem para os ecológicos, podendo danificar a tampa, que é de plástico na maioria das vezes”, adianta Lucena Filho. 
Hoje, um dos principais focos também é aumentar a durabilidade dos filtros para ampliar os intervalos entre as trocas. Outra preocupação é com a reciclagem dos filtros de óleo após seu descarte. “Para tornar tudo isso possível, os grandes fabricantes de filtros, como a Sogefi, estão realizando investimentos pesados em pesquisas de novos materiais, formas dos elementos filtrantes e processos de manufatura”, revela Toledo. 


Para Giancolli, a manutenção não mudou muito, a troca depende do uso. “O papel do filtro é o de evitar que as impurezas atinjam os motores. Cada fabricante tem a sua engenharia, que promove cálculos de fluxo e sugere filtros que comportem esse fluxo, protegendo o motor”, avalia.
Entre as novidades da Mann-Filter, estão os Multi-Filtros, que são filtros de óleo com desempenho técnico e funcional igual ou superior aos usados pelas montadoras com capacidade de filtragem até 50% superior aos tradicionais. Possui cinco versões com três tipos de roscas ¾ polegadas, 20mm e de 18 mm, compatíveis com a maioria das montadoras. A empresa dispõe também de mídias sintéticas para atender às especificações das montadoras. Disponibiliza ainda filtros de cabine mais fáceis de trocar e filtros do ar com vedações mais robustas e estruturadas. “A manutenção de filtros, de certa maneira, é simples e tem custo-benefício positivo”, conclui Gonçalves. 

Contato das empresas:
Mann-Filter: www.mann-hummel.com
 

Abrafiltros apoia Congresso ABES/Fenasan 2017, principal evento de saneamento ambiental do País

5/9/2017

Entidade marca presença com apoio institucional em evento técnico e mercadológico de saneamento ambiental e meio ambiente, no mês de outubro, no São Paulo Expo.

Abrafiltros Logo_

Em ampla expansão, a área de saneamento ambiental no Brasil oferece oportunidades para o mercado de filtros para tratamento de água e efluentes. Para acompanhar as novas soluções de sistemas de filtragem e as últimas tendências do setor, a Abrafiltros – Associação Brasileira das Empresas de Filtros e seus Sistemas Automotivos e Industriais, participará com apoio institucional do Congresso ABES/Fenasan 2017 – o maior encontro de Saneamento Ambiental das Américas, de 2 a 6 de outubro, no São Paulo Expo.

“Estar presente em exposições que possam trazer novidades do setor de filtragem aos associados é fundamental para a Abrafiltros”, afirma João Moura, presidente da entidade. Segundo Moura, trata-se de um evento de extrema importância, principalmente diante do cenário promissor para o mercado de filtração na área de saneamento ambiental para os próximos anos. “É uma forma de conhecer novos fornecedores e tecnologias, além de ser uma ocasião para gerar mais oportunidades de negócios e desenvolvimento ao setor”, comenta.

Serão realizados durante os cinco dias, os três eventos mais tradicionais do setor: o 29º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental, da ABES, o 28º Encontro Técnico AESabesp e a 28ª Feira Nacional de Saneamento e Meio Ambiente – FENASAN. O evento é realizado pela ABES (Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental) e a AESABESP (Associação dos Engenheiros da Sabesp).

Neste ano, em abril, a entidade apoiou institucionalmente a Automec – 13ª Feira Internacional de Autopeças, Equipamentos e Serviços. Em 2016, ofereceu apoio institucional a Pollutec Brasil – Feira Internacional de Tecnologias e Soluções Ambientais e ao IX Simpósio Internacional de Lubrirficantes, Aditivos e Fluidos e também participou da Fenasan – Feira Nacional de Saneamento e Meio Ambiente, além de diversas feiras ligadas ao setor, incluindo a FILTECH 2016, feira voltada ao sistema de filtração, em Colônia, na Alemanha.


Mais informações:

Congresso ABES/Fenasan 2017 – o maior encontro de Saneamento Ambiental das Américas – “Saneamento Ambiental: Desenvolvimento e Qualidade de Vida na Retomada do Crescimento”

Data: 2 a 6 de outubro de 2017

Local: São Paulo Expo (Rodovia dos Imigrantes – km. 1.5) 

 

Sobre a Abrafiltros:

Criada em 2006, a Abrafiltros – Associação Brasileira das Empresas de Filtros e seus Sistemas Automotivos e Industriais – reúne os principais fabricantes de filtros automotivos e industriais do País. A entidade nasceu da necessidade do segmento ser representado e promove ações visando o desenvolvimento e fortalecimento do setor.

 

Mais informações:

Verso Comunicação e Assessoria de Imprensa

www.versoassessoriadeimprensa.com.br 

AGENDA ABRAFILTROS 2016

Programe-se para as próximas reuniões da Abrafiltros

out

26


nov

23


dez

15


.........................................................


ASSOCIADOS

Conheça nossos associados